Santo Antônio de Leverger, 22 de Abril de 2018
  Navegue:
Resgate Histórico
Eventos Sociais
Esporte
Política
Cultura
Saúde
Cidades
Pesqueiros / Pousadas
Dicas de pesca
Gastronomia Regional
Em sua opinião o Município deve proceder de que maneira com o morador que joga entulhos em vias públicas
Votar
Ver Parcial

noticias
Nome:
E-mail:
Seu amigo:
E-mail dele:
Assunto:
Comentário:
DESBRAVADOR
Mimoseano indicado duas vezes ao Nobel da paz, empresta seu nome ao estado de Rondônia.
15/01/18
Por: Redação - Leverger News
Fonte: O Globo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Foram 40 anos explorando o sertão brasileiro. Neste período, ele percorreu mais de 100 mil quilômetros, o equivalente a 2,5 voltas ao redor da Terra. O tempo na mata e a distância vencida mostram o papel impressionante desempenhado pelo marechal Cândido Rondon, cuja morte completa 60 anos na próxima sexta-feira.

Para historiadores que revisitaram a história dele para publicar um livro, o militar foi fundamental para a integração de um país de fronteiras frágeis e para estabelecer contato — e manter a sobrevivência — de tribos indígenas. Além disso, ao levar cientistas em suas viagens, proporcionou o estudo e a descoberta de centenas de novas espécies, iniciando a catalogação do que hoje é conhecida como biodiversidade, uma das maiores riquezas do Brasil.

Abolicionista, responsável pelo contato com centenas de populações indígenas, criador do Serviço de Proteção ao Índio — transformado em Funai em 1967 — e líder de missões em que convergiram ciência, humanismo e políticas públicas, Rondon ganhou admiradores entre intelectuais. Foi indicado duas vezes ao Nobel da paz, em 1953 e 1957. Em 1925, Albert Einstein sugeriu seu nome ao comitê do prêmio. Não ganhou a honraria, mas tem um estado brasileiro para manter viva sua lembrança: o nome de Rondônia foi inspirado no do militar.

— O legado indianista de Rondon foi incomparável. Algumas tribos existem até hoje só por causa de seu trabalho. A ciência também deve muito a ele — avalia Magali Romero Sá, uma das organizadoras do livro “Rondon: inventários do Brasil 1900-1930”, lançado recentemente pela editora Andrea Jakobsson Estúdio.

Outra autora, Lorelai Kury destaca que a República Velha, instalada no final do século XIX, tinha muito interesse nas missões rumo ao oeste e ao norte do país, cujas fronteiras ainda estavam em consolidação. As comissões, como eram chamadas as expedições de reconhecimento, acumulavam objetivos — todos relacionados às potenciais riquezas naturais e ao reforço do poder central sobre as localidades mais isoladas, como as habitadas por nações indígenas.

— Rondon começou em uma missão chefiada em 1890 pelo major Gomes Carneiro, que instalava linhas telegráficas no país — conta Lorelai, que é professora do Programa de História das Ciências e da Saúde da Casa de Oswaldo Cruz (COC/Fiocruz). — Na verdade, esta não era a principal missão, porque a tecnologia rapidamente tornou-se obsoleta. O efeito esperado era conhecer as tribos indígenas para incorporá-las ao trabalho de ocupação do território. E, simbolicamente, despertar um sentimento de brasilidade.

Dez anos depois, quando assumiu a chefia da primeira de suas seis expedições, Rondon investiu em rituais para criar uma identificação entre os índios e os ideais nacionalistas introduzidos pelos militares.

— Para despertar o patriotismo dos indígenas, o marechal adotou costumes como um horário para o hasteamento da bandeira — revela Lorelai. — Ao mapear uma região, Rondon colocava marcos em pedra e fotografava os indígenas ao lado deles, passando a ideia de que eram os guardiões daquele terreno.

Registro de cerimônias

Lorelai chama a atenção para a forma adotada pelo chefe das comissões de conquistar a amizade dos nativos.

Theodore Roosevelt, Rondon e membros da equipe posam diante do marco do rio que leva o nome do ex-presidente americano. - Divulgação/Museu do Índio/Funai / .

— Rondon explorava imagens de uma maneira magnífica: fez filmes de qualidade que incentivavam o orgulho nacional e outros que mostravam os costumes daquelas populações — conta.

Magali concorda que o senso midiático de Rondon foi importante para angariar apoio popular a suas expedições.

— Muitas pessoas sequer sabiam que havia tentativas de entrar em contato com os índios, e outros acreditavam que os gastos governamentais para isso eram altos demais. As imagens registradas pelos militares, portanto, foram importantes para divulgar a validade e os resultados dos trabalhos — explica Magali, que também é professora de História das Ciências e da Saúde da COC/Fiocruz. — Ao mesmo tempo, Rondon valorizava os rituais indígenas, e assim ganhava a confiança daquelas populações.

Além da apresentação dos valores republicanos, Rondon precisava levar aos seus superiores uma pilha de informações. Os relatórios e correspondências das comissões continham dados sobre diversos aspectos da vida nas tribos, como a estrutura das famílias, alimentação, indumentária, habitação, trabalho, formas de opressão, doenças e práticas de cura.

Para cumprir tantos estudos, o marechal não se restringiu à companhia de militares. Lorelai lembra que, em suas incursões, Rondon convidou profissionais de diversas áreas — entre eles, engenheiros, médicos, cientistas, pintores, cartógrafos e naturalistas.

Conforme os mapas oficiais ganhavam novas informações, as expedições também se dedicavam a batizar marcos geográficos. Um dos homenageados foi o ex-presidente americano Theodore Roosevelt, que acompanhou Rondon em uma comissão científica entre 1913 e 1914. O Rio da Dúvida transformou-se em Rio Roosevelt.

Enquanto os brasileiros abriam estradas e conheciam os indígenas, Roosevelt dedicou-se à caça. O hobby provocou incômodo geral — Rondon caçava apenas para comer, porque acreditava que os animais tinham alma. Muitos militares eram vegetarianos. Um jornal da época publicou uma charge em que um macaco perguntava a outro se sobrariam animais no caminho do ex-presidente.


Atenção! Os comentários e opiniões são de responsabilidade única e exclusiva do leitor e não expressam, necessariamente, o ponto de vista do site. Ao comentar, o usuário declara ciência e aceitação deste termo de conduta dos comentários do site LevergerNews.
Nome:
E-mail:
Título:
Comentário:
Comentários Envie o seu
 
Não foi feito nenhum comentário para esta matéria até o presente momento
Mais Notícias
17/04/18
Prefeito e sua comitiva participam da feijoada de encerramento dos festejos em Engenho Velho
30/03/18
Centenas de pessoas sobem o Morro de Santo Antônio na Sexta-feira da Paixão
18/02/18
O Marechal e o sertanista Rondon - II
14/02/18
Sophia Carvalho - Universitária comemora aniversário em camarote dos Garanhões
11/02/18
Sob nova direção, camarote do Pelô "bombou" na segunda noite de Carnaval em Leverger
10/02/18
Nova geração do Pelô inova e bloco deve atrair multidões para o seu carnaval
08/02/18
Prefeituras de Barão e Leverger irão colaborar com mutirão de limpeza nas baías de Chacororé e Siá Mariana
06/02/18
Documentário sobre quilombolas de Livramento é selecionado em concurso nacional
25/01/18
Cavalgada com 150 participantes reuniu moradores e visitantes em Mimoso
24/01/18
Prefeitura realiza o "Barão Folia" entre os dias 10 e 13 de fevereiro
24/01/18
Cidade já se prepara para "Banana-folia"
13/01/18
Aos 75 anos, morre o ex-presidente da Câmara Municipal de Santo Antônio
12/01/18
Prefeito, secretários e vereadores se reúnem com representantes da justiça e segurança do estado
08/01/18
Escritor, Luiz Carlos Ribeiro é internado em estado grave e precisa de doação de sangue
20/12/17
Santo-antoniense é homenageado no Ministério da Agricultura em Brasília
05/12/17
Moradores de Mimoso recebem Certificados de inglês básico
11/11/17
"Cantando o Nordeste", marca a estreia de novo grupo de coral de Leverger
04/11/17
Um ano após inauguração, Memorial Rondon está fechado
04/10/17
Emoção e agradecimentos marcam o embarque de 40 crianças e adolescentes do Coral da Arte Cidadã
04/10/17
Prefeitura viabiliza transporte de delegação que participa em São Paulo do 13º Festival Nacional de Coros
18/09/17
7ª cavalgada reúne caravanas da Baixada Cuiabana em Mimoso
05/09/17
Conheça a programação da Festa de Nossa Senhora do Livramento 2017
01/09/17
Fim de semana tem Racionais, Kiev Ballet e Thiaguinho
29/08/17
Jovem músico santo-antoniense faz apresentação com Daniel na Orla do Porto
24/08/17
Alunos da escola Leônidas de Matos participam do Programa Por Dentro do Parlamento
14/08/17
História da comunidade Livramentense será transformada em filme e exibida na TV Futura
02/08/17
A história de poder e ruína do homem que mandava e desmandava em Santo Antônio
25/07/17
Réplica fiel de Aparecida vai passar por Santo Antônio e Barão de Melgaço
19/07/17
Membros do Vitória Regia passam mal em Festival no RS e apresentação é suspensa
18/07/17
Após encantar sulistas no 45º Festival Internacional de Folclore, Vitória Régia retorna a Santo Antônio
CYBORG - O HOMEM DE 6 MILHÕES DE DÓLARES

Homônimo de herói de seriado americano vai responder pelo Controle de frotas e veículos da prefeitura de Leverger

BONITO PRA XA CARA !!!

Comediante é vetado para subir ao palco em Leverger

DOCUMENTO PÚBLICO

Gerente da Prefeitura Santo Antônio é suspeito de assinar ordem para pagamento sem conhecimento e autorização do chefe

DEMOROU, MAS SAIU DE CENA

Ex garoto prodígio do prefeito de Santo Antônio é exonerado

A ÚLTIMA CEIA!

Dois secretários devem sentar pela última vez ao lado do prefeito Valdir, num jantar nesta quinta-feira

Mais notas
O que dizer da Mulher Levergense?
Redação - Levergense
Estrutura do Marketing
Marketing político e eleitoral - Parte VI
Cláudio Cordeiro - Publicitário/Advogado
Evento em prol da festa do Senhor Divino reúne personalidades em Leverger
Redação - Leverger News
© Copyright Levergernews - Santo Antônio do Leverger, MT - Fone: (65) 3341-1799/8403-5258