Santo Antônio de Leverger, 20 de Junho de 2018
  Navegue:
Resgate Histórico
Eventos Sociais
Esporte
Política
Cultura
Saúde
Cidades
Pesqueiros / Pousadas
Dicas de pesca
Gastronomia Regional
Em sua opinião o Município deve proceder de que maneira com o morador que joga entulhos em vias públicas
Votar
Ver Parcial

noticias
Nome:
E-mail:
Seu amigo:
E-mail dele:
Assunto:
Comentário:
NOSSA TERRA, NOSSA GENTE
Santo-antoniense faz viola de cocho e mantém modo de vida aprendido com família
07/04/17
Por: Redação - Leverger News
Fonte: RDnews

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Promotor cultural, Alcides Ribeiro dos Santos vive em Santo Antonio de Leverger (cidade ribeirinha a cerca de 35 quilômetros de Cuiabá) mantendo uma tradição que já esteve mais próxima da extinção, apesar de ainda não estar totalmente salva. Ele constrói violas de cocho, talvez o maior e mais antigo símbolo do existir cuiabano.

O ofício foi aprendido com o pai, o mestre Caetano Ribeiro, ainda na maneira tradicional – com cola feita de poca (uma membrana respiratória dos peixes que, fervida, cria uma liga) e cordas construídas a partir de tripas de animais silvestres, habitualmente macacos ou ouriços. Aos ambientalistas mais exaltados, isso deixou de acontecer desde os anos 1980, quando foram substituídas por colas industriais e cordas de nylon. Foram as únicas mudanças introduzidas na arte centenária.

Como sertanejos e ribeirinhos, eles entalham o instrumento em uma única peça de madeira. São vários os tipos utilizados. O corpo é feito de ximbuva, pinho cuiabano ou sarã; o tampo é feito de raiz de figueira branca e todas as outras peças são cedro-rosa.

Alcides ainda faz outros dois instrumentos de percussão necessários para o siriri: ganzá (atrás da viola) e o mocho /Foto: Gilberto Leite/RDNews
Alcides ainda faz outros dois instrumentos de percussão necessários para o siriri: ganzá (atrás da viola) e o mocho /Foto: Gilberto Leite/RDNews

Esse entalhe feito a golpes de facão mais o escave são os trabalhos mais pesados. Para se ter uma ideia, para cinco peças é consumido um dia inteiro de labuta, iniciada às 06h e só encerrada às 17h. “Já fui mais forte, quando mais jovem, e conseguia fazer até dez, mas hoje meus braços doem muito se fizer isso; então, procuro ficar mais de boa”, conta, rindo, com o sotaque cuiabano característico, o próprio Alcides, durante uma de suas apresentações para alunos em escolas. No caso, o Colégio Plural.

Depois da madeira escavada, o cocho deve secar por 10 dias no sol. Só depois desse período é que a viola recebe seu tampo e são instalados o cavalete, prendedor das cordas ao corpo do instrumento, e as cravelhas, chaves de madeira (cinco no total) que serão atarrachadas à cabeça da viola.

Além da dor, as próprias mãos do artesão de 51 anos também receberam marcas quais entalhes, mas feitos de calos. Espécie de prêmio orgulhoso do caminho escolhido ainda aos 15, quando mestre Caetano Ribeiro começou a ensiná-lo a arte de primeiro golpear com o facão um pedaço de tronco até ir dando um dos três formatos daquela espécie de alaúde pantaneiro tornado patrimônio cultural imaterial desde dezembro de 2004, quando a proposta do Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular (CNFCP) foi aceita pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e cujas origens, defende o maestro Abel Dy Hanjos Santos e outros estudiosos, remetem à antiga Mesopotâmia.

Durante a performance na escola Plural, Alcides expõe parte da dificuldade da confecção de seu artesanato sob o olhar atento das crianças, que vêem as lascas de madeira voarem às pancadas do facão afiado com olhares curiosos. Durante a sessão de perguntas, conta que já perdeu a conta de quantas violas construiu, mas lembra que até 10 anos atrás, quando tentou realizar a última contagem, sabia que havia passado das mil obras.

Ele também faz os outros instrumentos necessários ao siriri: o mocho e o ganzá.

Nesse passo, é levado a lembrar uma parte de sua trajetória de divulgador da cultura cuiabana e pantaneira, pela qual acabou por conhecer grande parte do Brasil. Além de participar de grandes eventos, como o Salão de Turismo de São Paulo, em pleno Anhembi. “Tudo graças ao facão, enchó e o formão goiva”.

Diferente do que preconceituosos pensam, a viola de cocho é um instrumento apto a tocar qualquer tipo de música brasileira, lembra mestre Alcides /Foto: Gilberto Leite/RDNews -
Diferente do que preconceituosos pensam, a viola de cocho é um instrumento apto a tocar qualquer tipo de música brasileira, lembra mestre Alcides /Foto: Gilberto Leite/RDNews -

Suas violas tem qualidade musical, “depois que começaram a ser utilizadas pela Orquestra de Câmara do Estado, melhoraram as afinações e o estudo. Viram que é um instrumento apto a tocar qualquer tipo de música brasileira”, lembra, mas também podem ser peças decorativas numa boa. Estas tem preços variando (a de 55x20cm) de R$ 250 até R$ 480 (as maiores).

Hoje presta serviço fazendo, oficinas, palestras, workshops, além de fabricar as violas, mochos e ganzás para todos os interessados, além de fazer o instrumento sob encomenda para músicos Brasil afora. 

Pergunto se ele sabe da modernização do instrumento, transformado em uma espécie de “guitarra de cocho”, com captadores e eletrificações para receber amplificação e até distorção via pedais. “Eu gosto, acho diferente. Sou eu quem fabrica as violas para o Billy (Espíndola, o inventor da face mais recente da viola)”, diz, sorrindo e lembrando que esse pode ser um meio de sobrevida para seu ofício, já que nos dias que correm não tem nenhum aprendiz

 

Atenção! Os comentários e opiniões são de responsabilidade única e exclusiva do leitor e não expressam, necessariamente, o ponto de vista do site. Ao comentar, o usuário declara ciência e aceitação deste termo de conduta dos comentários do site LevergerNews.
Nome:
E-mail:
Título:
Comentário:
Comentários Envie o seu
 
PAU RODADO
Autor: pau rodado Dia 10/04/2017 - 17:27
Nao sei da onde se considera santoantoniense, Um pau rodado da vida, SABE TUDO, mas na verdade é um LAMBE SAL.
Mais Notícias
29/05/18
Governo promove audiência pública sobre o Plano de Marketing do Pantanal
17/04/18
Prefeito e sua comitiva participam da feijoada de encerramento dos festejos em Engenho Velho
30/03/18
Centenas de pessoas sobem o Morro de Santo Antônio na Sexta-feira da Paixão
18/02/18
O Marechal e o sertanista Rondon - II
14/02/18
Sophia Carvalho - Universitária comemora aniversário em camarote dos Garanhões
11/02/18
Sob nova direção, camarote do Pelô "bombou" na segunda noite de Carnaval em Leverger
10/02/18
Nova geração do Pelô inova e bloco deve atrair multidões para o seu carnaval
08/02/18
Prefeituras de Barão e Leverger irão colaborar com mutirão de limpeza nas baías de Chacororé e Siá Mariana
06/02/18
Documentário sobre quilombolas de Livramento é selecionado em concurso nacional
25/01/18
Cavalgada com 150 participantes reuniu moradores e visitantes em Mimoso
24/01/18
Prefeitura realiza o "Barão Folia" entre os dias 10 e 13 de fevereiro
24/01/18
Cidade já se prepara para "Banana-folia"
15/01/18
Mimoseano indicado duas vezes ao Nobel da paz, empresta seu nome ao estado de Rondônia.
13/01/18
Aos 75 anos, morre o ex-presidente da Câmara Municipal de Santo Antônio
12/01/18
Prefeito, secretários e vereadores se reúnem com representantes da justiça e segurança do estado
08/01/18
Escritor, Luiz Carlos Ribeiro é internado em estado grave e precisa de doação de sangue
20/12/17
Santo-antoniense é homenageado no Ministério da Agricultura em Brasília
05/12/17
Moradores de Mimoso recebem Certificados de inglês básico
11/11/17
"Cantando o Nordeste", marca a estreia de novo grupo de coral de Leverger
04/11/17
Um ano após inauguração, Memorial Rondon está fechado
04/10/17
Emoção e agradecimentos marcam o embarque de 40 crianças e adolescentes do Coral da Arte Cidadã
04/10/17
Prefeitura viabiliza transporte de delegação que participa em São Paulo do 13º Festival Nacional de Coros
18/09/17
7ª cavalgada reúne caravanas da Baixada Cuiabana em Mimoso
05/09/17
Conheça a programação da Festa de Nossa Senhora do Livramento 2017
01/09/17
Fim de semana tem Racionais, Kiev Ballet e Thiaguinho
29/08/17
Jovem músico santo-antoniense faz apresentação com Daniel na Orla do Porto
24/08/17
Alunos da escola Leônidas de Matos participam do Programa Por Dentro do Parlamento
14/08/17
História da comunidade Livramentense será transformada em filme e exibida na TV Futura
02/08/17
A história de poder e ruína do homem que mandava e desmandava em Santo Antônio
25/07/17
Réplica fiel de Aparecida vai passar por Santo Antônio e Barão de Melgaço
CYBORG - O HOMEM DE 6 MILHÕES DE DÓLARES

Homônimo de herói de seriado americano vai responder pelo Controle de frotas e veículos da prefeitura de Leverger

BONITO PRA XA CARA !!!

Comediante é vetado para subir ao palco em Leverger

DOCUMENTO PÚBLICO

Gerente da Prefeitura Santo Antônio é suspeito de assinar ordem para pagamento sem conhecimento e autorização do chefe

DEMOROU, MAS SAIU DE CENA

Ex garoto prodígio do prefeito de Santo Antônio é exonerado

A ÚLTIMA CEIA!

Dois secretários devem sentar pela última vez ao lado do prefeito Valdir, num jantar nesta quinta-feira

Mais notas
o Grandioso Santo Antônio faz parte de Leverger à exatamente 118 anos
Tayane de Andrade Castro
Viva Rondon
Allan Kardec
O que dizer da Mulher Levergense?
Redação - Levergense
Estrutura do Marketing
© Copyright Levergernews - Santo Antônio do Leverger, MT - Fone: (65) 3341-1799/8403-5258