Santo Antônio de Leverger, 24 de Novembro de 2017
  Navegue:
Resgate Histórico
Eventos Sociais
Esporte
Política
Cultura
Saúde
Cidades
Pesqueiros / Pousadas
Dicas de pesca
Gastronomia Regional
Em sua opinião o Município deve proceder de que maneira com o morador que joga entulhos em vias públicas
Votar
Ver Parcial
noticias
Nome:
E-mail:
Seu amigo:
E-mail dele:
Assunto:
Comentário:
ATOR, ESCRITOR, PESQUISADOR, EDUCADOR ...
Luiz Carlos Ribeiro, um filho de Leverger à espera do seu devido reconhecimento
02/08/16
Por: Redação - Leverger News
Fonte: Revista Lume

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Luiz Carlos Ribeiro, advogado, ator, arte/educador, escritor, diretor, e pesquisador, filho de Leverger, conversa com outro homem de teatro

Luiz Carlos Ribeiro é possível descrever o seu rebento na arte teatral em algumas poucas linhas, onde tudo começou? 

Eu devia ter 6 para 7 anos de idade quando comecei o meu processo de alfabetização na escola pública, em Santo Antônio de Leverger – MT, com a professora Maria Lacerda, uma educadora avançada para o seu tempo. Já quase encerrando o ano letivo, ela nos convidou para assistir a uma peça de teatro. Ficamos curiosos para saber o que era, pois nunca tínhamos assistido a uma peça. Ela tentou nos explicar o ato da representação teatral, mas as dúvidas permaneciam. O espetáculo foi encenado no salão da Câmara Municipal. Quando entramos no recinto, havia cadeiras para a plateia e ao fundo, um palco improvisado, tendo como coxias, lençóis brancos dependurados do teto. A iluminação era feita por lampiões Petromax, - época em que, não havia energia elétrica na cidade - que davam um toque mágico, projetando uma luz azulada em todo o ambiente. Após o terceiro toque de uma sineta, deu-se início à representação. Lembro-me que a trama cênica desenrolava em torno de uma empregada doméstica – interpretada pela nossa professora - acusada de ter roubado de sua patroa, um vidro de perfume, da marca Coty. Quando a peça terminou, falei comigo mesmo: quando eu crescer, vou fazer isso. Foi o meu primeiro alumbramento com o teatro. Aqui estou! 



Já morando na Capital mato-grossense, como você se projetou no teatro em Cuiabá, nacionalmente e para o mundo? 

De 1967 a 1969 exerci o magistério, na cadeira de língua portuguesa, na Escola Normal Regional Dr. Hermes Rodrigues de Alcântara. Junto com outros professores e alunos, criamos o primeiro grupo de danças folclóricas mato-grossenses, que participou de alguns festivais nacionais nas cidades do Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília, Goiânia e Mato Grosso do Sul. 

Em meados de 1.977, co-dirigi o Teatro Experimental de Cuiabá – TEC, juntamente com o diretor Ariel de Campos. Realizamos juntos dois circuitos estudantis de teatro, percorremos vários municípios do Estado, com a peça Arena Canta Zumbi, de Jean Francesco Guarnieri e Edu Lobo (anuário do teatro brasileiro (pg. 1983/1984). Com esse mesmo diretor, trabalhei como ator na peça “Quadro do Tempo”, inspirada em poemas do saudoso poeta Durval de França. No mesmo ano, fomos à Brasília, participar do Encontro Nacional de Teatro aonde veio o convite da FENATA - Federação Nacional de Teatro Amador -, para reestruturar o movimento de teatro em Mato Grosso. Nos anos de 1977/1978, criamos a Federação de Teatro Amador do Estado de Mato Grosso, tendo sido eleito por aclamação, seu primeiro Presidente. Participei também como membro federado da transformação da FENATA e da CONFENATA - Confe-deração Nacional de Teatro Amador -, da qual fui seu tesoureiro, na gestão do dramaturgo maranhense, Tácito Freire Borralho. A minha maior atuação foi na peça teatral Rio Abaixo, Rio Acima ou Ergue o Mocho e Vamos Palestrar (1978 - 1984), de Maria da Glória Albuês, que viajou várias capitais brasileiras e representou Mato Grosso, no ano de 1980, no Projeto Mambembão. Internacionalmente, participei da apresentação de Rio Abaixo, Rio Acima, em Quijaro, na Bolívia, (1981); Performance e interferência cênica realizada nos 450 anos de Anchieta em Coimbra, no Colégio das Artes, da Universidade de Coimbra, em Portugal, por ocasião da Comunicação: Anchieta em Mato Grosso: Autos da pregação universal, (1998); participação em apresentação do Grupo Musical de Sarã em Havana, (1990) e ainda, no espetáculo co-produzido com Almary Tangará, no Festival de Palmela – Portugal, (2000). 



Você sempre se dedicou à dramaturgia, qual o seu primeiro registro como dramaturgo e como prosseguiu seu trabalho autoral? 

A minha primeira escritura cênica aconteceu com a peça: A Juventude se Escondeu de Mim (anuário do teatro brasileiro 1977, pg.83), protagonizada pelos atores Hugo Taques e Laura Lucena. Na década de 80 escrevi duas peças teatrais: No tempo de Bento e Tomázia em comemoração ao bicentenário da cidade de Poconé - MT e, A Canção de Mãe Maria, encenada em um Congresso Internacional do Rotary Clube. Em 1983/1984 encenei dois Autos Natalinos Pantaneiros, a convite de Jaime Okamura, então diretor da Turimat. Em 1984, escrevi e dirigi a peça, Gudibai Meu Boizinho. Em 1986, a convite da Supervisora do Teatro Universitário, Glória Albuês, encenei, no Campus da Universidade Federal de Mato Grosso, Auto Natalino Latino Americano. Nesse mesmo ano, na companhia da atriz Lúcia Palma, dirigi, às margens do Rio Cuiabá, a interferência cênica, Rio Que te Quero Vivo, com poemas da nossa autoria. Em 1989, escrevi em parceria com o ator e diretor Carlos Ferreira, o espetáculo cênico musical, Poema Caboclo, onde atuei também como ator. Na década de 1990, escrevi dois textos teatrais, gênero teatro do absurdo, que foram encenados pelos atores Liu Arruda e Ivan Belém: A Virgindade Contestada e Vespa Sete, inspirados em contos de Tereza Albuês. Especialmente para o ator Liu Arruda, escrevi: Pelos Cotovelos, nosso grande sucesso; espetáculo encenado até a sua “passagem”. Em 2001, através do projeto, Tom do Pantanal (Fundação Roberto Marinho) participei como coautor do texto temático: O Pantanal e Sua Cultura Regional, veiculado pela TV Cultura. Em 2002, sob a coordenação da professora Dra. Michele Sato (UFMT), publicamos: Sentidos Pantaneiros, pela KCM Editora. Em 2004, em comemoração aos 80º ano da imigração japonesa em Mato Grosso, escrevi e dirigi em parceria com o ator e diretor Carlos Ferreira, Uma Noite no Japão, a convite da Associação Nipônica do Estado de Mato Grosso. De 2008 a 2013, coloquei na cena mato-grossense, o espetáculo lúdico musical, A Mala de Fugir e Outras Histórias, onde também atuei como ator, sob a direção de Júlio Camargo. 



A sua produção na dramaturgia, tem volume significativo para a história do teatro mato-grossense, a que você atribui esse estímulo? 

O que me estimulou a escrever textos foi a dificuldade que tínhamos em encontrar textos teatrais que falasse sócio culturalmente da nossa região, do eco sistema e da realidade cultural mato-grossense. Foi a partir da peça Rio Abaixo, Rio Acima, de Maria da Gloria Albuês, que essa realidade dramatúrgica nos instigou a criar textos, onde as histórias aconteciam dentro do nosso universo geográfico cultural. Gloria Albuês é a precursora da criação de uma dramaturgia eminentemente mato-grossense. Aprendi muito com ela. Uma Mestra! 



Você é autor de vários contos, eles já foram publicados e que universo cênico imagético aparecem no seu contexto? 

Reuni grande parte dos meus contos, no meu primeiro livro publicado em 2006, A Mala de Fugir e Outros Contos, por meio da Lei de Incentivo à Cultura, publicado pela Carlini & Caniato. 

O meu espaço geográfico é o pantanal mato-grossense. A minha memória lúdico-imagética são os chapadões da baixada cuiabana, a vegetação retorcida do nosso cerrado. O meu índice iconográfico, desde a minha vinda a este planeta é o Morro de Santo Antônio. Os contos, histórias, as minhas peças teatrais, na sua maioria, são ambientadas dentro de um reino mágico, encantado, que se chama: Morená - Morada do Sol e da Lua - espaço mítico dos povos Kamaiurá. Morená, que por analogia mítica é o pantanal mato-grossense, com suas imensas baias, com seus bandos de pássaros, com seus encantos e mistérios. Mora-da de Siá Mariana, nossa Yara pantaneira, dos deuses subaquáticos, emoldurados por uma flora de agua-pés e camalotes. Daí a minha obrigação de contar e cantar em primeiro lugar, a minha “aldeia”. 



Você tem presença significativa na área da arte/educação. Como é a sua atuação como arte/educador e que projetos têm desenvolvido? 

Participei do projeto: Terra, Uma Proposta de Interação Escola Comunidade (1982 - 1984 MEC/FUNARTE), realizada pelo Grupo Terra de Teatro, nas comunidades de Sucuri e São Gonçalo Beira Rio. Essa experiência encontra-se registrada no vídeo, A Morada da Juruti, produzido pela FUNARTE, onde relata toda a experiência lúdica pedagógica do projeto. No primeiro ano, o projeto foi coordenado pela teatróloga e cineasta, Maria da Gloria Albuês; depois passei a coordená-lo, até a sua conclusão. A nossa equipe era formada pelos atores e arte/educadores: Wagton Douglas Fonseca, Marcio Aurélio Silva Santos, Gilberto Fraga de Melo, Magda Cintra, pela pedagoga Ana Maria Lopes e pelos Professores Elzira Cavalcante da Silva Celso. 

Junto aos povos indígenas, ministrei oficina de teatro em terras Paresi e Umutina (2006). O projeto Roda de Saberes foi realizado em terras Paresi, onde inclui uma oficina de teatro para 40 jovens indígenas de várias etnias. Em 2006/2007 ministrei uma oficina teatral em terras Umutina, quando fui convidado para ser consultor voluntário do grupo teatral Nação Nativa, na montagem da peça Haikapu – Criador do Mundo, dirigida por Naine Terena. 

Não posso esquecer-me do Projeto: UNESTADO, da Universidade Federal de Mato Grosso, sob a coordenação do Professor Abílio Camilo Fernandes, na década de 1990. Durante os dois anos, aproximadamente, de existência do projeto, ministrei oficinas de arte/educação para professores, alunos e pessoas das comunidades visitadas. Levei para a sala de aula a experiência vivenciada nas comunidades de Sucuri e de São Gonçalo Beira Rio. 



Esteve na cena teatral na capital, de sua autoria, a peça Fica, Pedro!, que chamou a atenção de vários olhares conceituados, para a obra, inclusive, por Dom Pedro Casaldáliga e pela escritora Marilza Ribeiro. Como se deu a produção dessa dramaturgia e de que ela trata? 

Escrevi a peça Fica, Pedro!, em 2008 que, ao ser conhecida por Dom Pedro Casaldáliga, foi por ele alcunhada de libelo dramático, dizendo ser a minha mais inédita obra dramática e ainda, tem sido acolhida pela crítica como obra singular em que, desde a perspectiva da História Cultural e da Literatura Regional, mescla fatos e ficções e fazem dela, um signo de testemunho. A peça trata da denúncia social polifônica, que dá voz àqueles sem-terra, indígenas, negros e injustiçados, e exalta de maneira inigualável a luta de Dom Pedro Casaldáliga, bispo espanhol, natural da Catalunha, ameaçado de morte várias vezes durante regime militar, por posicionar-se em favor dos oprimidos. 

A escritora Marilza Ribeiro, registrou em sua crítica para o jornal, A Notícia MT, de 17/09/2009, sobre a montagem cênica da peça, o seguinte fragmento: 

A voz do anjo trapezista pendurado no ar, ante nossos olhos, vai desembrulhando desde o início a memória de uma triste história – a jornada heróica de um Pastor religioso em sua luta pela vida dos marginalizados. Ali no palco, a cena de um frágil senhor iluminado pela extrema coragem e solidão como réu do arrogante poder inquisidor da sua igreja. O anjo circense é portador da rigorosa narração, acendendo em nós – o público – o interesse, a emoção, a perplexidade – onde atores e atrizes encarnam a dança, as vozes, o canto e a crueza do drama coletivo dos excluídos da terra mato-grossense [...] resgata a selvageria das emoções e o dilaceramento na loucura dos limites extremos do amor, da dor, do ódio e da agonia humana. 

Ainda em 2009, a peça Ficou em cartaz por três meses consecutivos no teatro da TV Centro América, com sucesso de público e aval do próprio Dom Pedro Casaldáliga que, ao ler o texto, disse que dele não exclui-ria nada. 



Como se deu a sua parceria com a Companhia de Teatro Cena Onze? 

Em 2009, o dramaturgo Flávio Ferreira solicitou-me um texto inédito, então lhe falei sobre Fica, Pedro! Po-rém, a obra se encontrava inacabada, faltava alguns dados mais concretos sobre a vida e a obra de Dom Pedro. Era preciso entrevistá-lo. Na época encontrava-me impossibilitado de visitá-lo. Foi aí que entrou a parceria textual com o dramaturgo Flavio Ferreira, que o visitou em São Felix do Araguaia, fez a entrevista e escreveu as cenas que faltavam. Dividi com muito orgulho a parceria do texto com ele, meu amigo, irmão companheiro de longos janeiros. 



O que te levou a escrever uma peça teatral, sobre um Bispo com tantas polêmicas sobre sua luta em favor dos miseráveis e ainda, jurado de morte? 

Fica, Pedro! É libelo dramático que escrevi em solidariedade a Dom Pedro Casaldáliga, escritor, poeta, drama-turgo, Bispo Emérito da Prelazia de São Felix do Araguaia em Mato Grosso. Trata-se de uma homenagem ao seu apostolado, pelos seus serviços sociais e humanitários prestados ao nosso País, ao povo do Ara-guaia, por mais de meio século. É um texto provocador porque é engajado nas causas sociais, de maneira que traz a carga do mal e da injustiça na personagem do Inquisidor que acusa Dom Pedro Casaldáliga de incitar o povo contra a ordem religiosa e social. Traz nas vozes de outras personagens o tom de denúncia quando exaltam artigos da Constituição Brasileira em favor da liberdade de ir e vir, do direito de igualdade e de propriedade. Apesar de ser um texto ficcional, contudo é mesclado de muitas verdades e fatos histó-ricos que contam a vida e a luta deste homem de Deus.



Pelo que vemos, a sua produção artística, no momento, está em constante movimento. O que você tem na “manga” para o próximo biênio? 

Desde 2015, participo com a Professora Marília Beatriz de Figueiredo Leite, presidente da AML, coadjuva-do pelo grupo Os Crônicos, formado pelos atores Carlos Ferreira, Ivan Belém, Wagton Douglas, Claudete Jaudy, Lucia Palma, Mauricio de Moraes, J. Astrevo Aguiar, Vital Siqueira, Moema Leite e Wanda Marchetti. Trata-se de um experimento teatral que tem como foco, promover intervenções cênicas em espaços não convencionais à representação teatral. A partir de abril passado, participo como ator convidado na peça: Homem do Barranco, de autoria e interpretação do ator, diretor e dramaturgo Carlos Ferreira, sob a direção de J. Astrevo Aguiar. Para o próximo biênio tenho três projetos na manga. Ainda este ano, entre os meses de maio a junho, estamos lançando a obra Fica, Pedro!, escrita em parceria com Flavio Ferreira, edição bilíngue, português/espanhol, tradução de Silvana Teixeira e revisão de Marcial Izquierdo, publicada pela Entrelinhas. O lançamento será em São Felix do Araguaia, com a presença de Dom Pedro e leitura dramatizada de algumas cenas da peça. Ainda neste ano, a convite da Professora, Dra. Michele Sato, da UFMT, irei ministrar uma oficina de teatro para alunos dos cursos de graduação, mestrado e doutorado. No próximo ano, a Companhia de Teatro Cena Onze irá reencenar a peça, Fica, Pedro!, com textos interpretados em português e espanhol. O terceiro projeto é a realização da oficina: A Geometria Sagrada do Rito, uma imersão antropológica em nossa cultura popular e indígena. Depois estou pensando em me aposentar, pegar minha Mala de Fugir e sair andando mundo afora, me transformar em um griot na acepção lata e estrito senso da palavra. Vou sair tocando o meu tambor e contando histórias dos nossos heróis míticos Kamaiurá, dos nossos mitos amazônicos e pantaneiros. Oficio que amo de paixão!



Atenção! Os comentários e opiniões são de responsabilidade única e exclusiva do leitor e não expressam, necessariamente, o ponto de vista do site. Ao comentar, o usuário declara ciência e aceitação deste termo de conduta dos comentários do site LevergerNews.
Nome:
E-mail:
Título:
Comentário:
Comentários Envie o seu
 
TERRA FERTIL
Autor: PROF.MANOEL PINHEIRO Dia 06/08/2016 - 16:33
PARABENIZO O CONTERRANEO LUIZ CARLOS RIBEIRO EDUCADOR, ATOR E ESCRITOR. POR TER ACHADO A FONTE, ONDE FOI BEBER NESSE TERRENO FERTIL, QUE É O PANTANAL. SUAS BELEZAS, COSTUMES E TRADIÇÕES, CONSERVADAS EM SUAS OBSERVAÇÕES COMO FILHO DA TERRA.PARABENS PROF.MANOEL PINHEIRO.
TERRA FERTIL
Autor: PROF.MANOEL PINHEIRO Dia 06/08/2016 - 16:31
PARABENIZO O CONTERRANEO LUIZ CARLOS RIBEIRO EDUCADOR, ATOR E ESCRITOR. POR TER ACHADO A FONTE, ONDE FOI BEBER NESSE TERRENO FERTIL, QUE É O PANTANAL. SUAS BELEZAS, COSTUMES E TRADIÇÕES, CONSERVADAS EM SUAS OBSERVAÇÕES COMO FILHO DA TERRA.PARABENS PROF.MANOEL PINHEIRO.
Mais Notícias
11/11/17
"Cantando o Nordeste", marca a estreia de novo grupo de coral de Leverger
04/11/17
Um ano após inauguração, Memorial Rondon está fechado
04/10/17
Emoção e agradecimentos marcam o embarque de 40 crianças e adolescentes do Coral da Arte Cidadã
04/10/17
Prefeitura viabiliza transporte de delegação que participa em São Paulo do 13º Festival Nacional de Coros
18/09/17
7ª cavalgada reúne caravanas da Baixada Cuiabana em Mimoso
05/09/17
Conheça a programação da Festa de Nossa Senhora do Livramento 2017
01/09/17
Fim de semana tem Racionais, Kiev Ballet e Thiaguinho
29/08/17
Jovem músico santo-antoniense faz apresentação com Daniel na Orla do Porto
24/08/17
Alunos da escola Leônidas de Matos participam do Programa Por Dentro do Parlamento
14/08/17
História da comunidade Livramentense será transformada em filme e exibida na TV Futura
02/08/17
A história de poder e ruína do homem que mandava e desmandava em Santo Antônio
25/07/17
Réplica fiel de Aparecida vai passar por Santo Antônio e Barão de Melgaço
19/07/17
Membros do Vitória Regia passam mal em Festival no RS e apresentação é suspensa
18/07/17
Após encantar sulistas no 45º Festival Internacional de Folclore, Vitória Régia retorna a Santo Antônio
13/07/17
Grupo de Siriri de Santo Antônio participa do 45º Festival Internacional de Folclore com apoio da prefeitura
05/07/17
Vereador por seis mandatos, Seu Bugre celebra nesta quarta-feira 80 anos de vida
20/06/17
Escola Santa Claudina de Mimoso fundada por Marechal recebe livros da Turma da Mônica
25/05/17
Coral Juvenil Arte Cidadã se apresenta em Leverger nesta sexta-feira (26)
17/05/17
Inscrições para o tradicional evento da festa da cidade tem apoio da prefeitura
12/05/17
Estudantes de Varginha participam de tarde cultural em Cuiabá
10/05/17
Município concede a mais alta homenagem a Enil Moraes, e concede-lhe a Comenda Rondon
12/04/17
Nico e Lau e parceiros se apresentam em show no próximo final de semana em Cuiabá
11/04/17
Paróquia de Santo Antônio divulga programação das celebrações da Semana Santa
07/04/17
Santo-antoniense faz viola de cocho e mantém modo de vida aprendido com família
28/03/17
Zeca Moraes viabiliza com deputado Romualdo emenda para reforma da Catedral de Cuiabá
28/03/17
Almoço da Festa do Senhor Divino reúne santo-antonienses
15/02/17
Governo lança edital para gestão do Memorial Rondon
14/02/17
Grupos folclóricos de Siriri e Boi-à-Serra terão apoio da prefeitura de Santo Antônio
15/01/17
Lei prevê punição à família de aluno que agredir professor em MT
08/11/16
Menos de três meses após inauguração, Governo fecha Memorial Rondon
CYBORG - O HOMEM DE 6 MILHÕES DE DÓLARES

Homônimo de herói de seriado americano vai responder pelo Controle de frotas e veículos da prefeitura de Leverger

BONITO PRA XA CARA !!!

Comediante é vetado para subir ao palco em Leverger

DOCUMENTO PÚBLICO

Gerente da Prefeitura Santo Antônio é suspeito de assinar ordem para pagamento sem conhecimento e autorização do chefe

DEMOROU, MAS SAIU DE CENA

Ex garoto prodígio do prefeito de Santo Antônio é exonerado

A ÚLTIMA CEIA!

Dois secretários devem sentar pela última vez ao lado do prefeito Valdir, num jantar nesta quinta-feira

Mais notas
Estrutura do Marketing
Marketing político e eleitoral - Parte VI
Cláudio Cordeiro - Publicitário/Advogado
Evento em prol da festa do Senhor Divino reúne personalidades em Leverger
Redação - Leverger News
BAIXADA CUIABANA E SEUS DESAFIOS
EMANUEL PINHEIRO - É deputado estadual pelo Partido da República (PR)
© Copyright Levergernews - Santo Antônio do Leverger, MT - Fone: (65) 3341-1799/8403-5258